Quarta-feira, 28 de Outubro de 2009

Sensibilizaçao

 

 


publicado por animaisferidos às 09:13
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

É uma história muito desagradável

 

Pela primeira vez em todo o mundo, gaviões selvagens aleijados foram capazes de gerar um filhote em cativeiro. O feito ocorreu em Iguanas, no Centro Fundação Ave da Mata Atlântica Reabilitada (Amar), sob os olhos do especialista Samuel Ferreira. A ave nasceu forte, segundo Samuel, que a vê como prova real de que é possível dar uma segunda vida a estes animais.
“É a primeira vez que esse bicho é reproduzido em cativeiro em todo o mundo. Trata-se de um filhote de gaviões com asa caída, ou seja, aleijados. Quando animais aleijados são encontrados, eles acabam sendo sacrificados muitas vezes, já que nem os zoológicos e nem criadores querem animais aleijados e ali eles não só sobreviveram como procriaram”, disse Samuel.
O nascimento da pequena ave é fruto da segunda tentativa do casal de gaviões. Na primeira, conta Samuel, a fêmea não conseguiu chocar o ovo, mostrando-se stressada com a novidade. Desta vez, não foi diferente, e depois de quatro dias com a mãe, o filhote de gaviões teve que ser levado para uma incubadora.
“Ela ainda fica muito estrelada, tanto que tivemos que tirar o filhote depois de quatro dias de junto da mãe. Ele nasceu forte, mas estava ficando fraco porque ela não conseguia alimentá-lo”, contou.
Para o nascimento da ave, Samuel contou com a ajuda de quatro galinhas que chocaram o ovo por cerca de 31 dias, em uma espécie de revezamento.   O ovo só foi levado de volta para a mãe quando se iniciou o processo de eclosão, que dura em torno de dois dias.
E o trabalho não para por ai: o recém-nascido, da espécie gavião-de-cauda-curta (Buteo brancuras), está actualmente na incubadora, onde é alimentado de quatro em quatro horas com cerca de 1,5g de codorna moída.
 

 


publicado por animaisferidos às 08:52
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 21 de Outubro de 2009

Como agir com feridas

 

Uma ferida é uma solução de continuidade que causa os danos à pele e aos tecidos subjacentes. Pode estar aberta (por exemplo um corte) ou fechada
. Que deve fazer se uma ferida estiver a sangrar? Tente parar o fluxo de sangue inicial aplicando a pressão à ferida com um absorvente adequado como gazes ou um tecido de linho limpo. Isto protegerá a ferida durante o transporte às instalações veterinárias mais próximas e impedirá toda a contaminação adicional do ferimento.
Se possível, tente manter levantada a área afectada. Não aplique nenhum desinfectante ou outros produtos químicos à ferida sem indicação do veterinário , pois podem interferir com a sua cicatrização .   A maioria das feridas abertas será contaminada com bactérias depois de diversas horas e podem frequentemente conter o outro material estranho tal como a sujidade, poeiras ou pêlos.
Se possível, o seu veterinário tentará limpar esta ferida e resolvê-la, imediatamente ou após diversos dias, dependendo de seu tamanho e do seu grau de contaminação. Quando a ferida já tem algumas horas (isto é 12 horas ou mais) ou esteja bastante infectada (por exemplo um gato mordido com evolução para um abcesso), frequentemente se deixa curar sem suturar, seguindo-se uma tratamento que combinação de pensos, lavagem e antibioterapia. Nos casos mencionados acima, esta combinação de tratamentos é a maneira mais adequada de promover uma recuperação rápida das feridas do seu cão ou gato.
 
Como deve controlar uma ferida aberta?
Como instruído pelo seu veterinário assistente deve, banhar a ferida, 2-3 vezes diariamente, com uma solução anti-séptica suave o que removerá toda a sujidade e manterá as bordas da ferida limpas.
 Deve ainda fazer o penso diário como foi indicado pelo seu médico-veterinário, ou caso, não tenha possibilidade, deve efectuar na clínica veterinária onde é assistido, o mesmo penso.
 
 

publicado por animaisferidos às 09:28
link do post | comentar | favorito

Animais Feridos

 

 

Á acidentes que podem acontecer  como por exemplo ser atropelados , esfaquedos etc... vamos apresentar uma pequena história que um senhor matou um pequeno animal:

 

 Há dias quando cheguei a casa, tentei estacionar o carro mas um cão hesitava em levantar-se e impedia-me de estacionar. Percebi que algo o incomodava, que algo o fazia sofrer. Levantou-se finalmente e vi então a cauda pendurada por um fino tendão, fruto dum ferimento recente.

Nem consigo explicar o que senti. O que é que eu ia fazer? Ficar indiferente como outros o fizeram? Levá-lo para casa e cuidar dele? Como?
 

Liguei sem sucesso para várias associações de animais, canis, muitos dos quais apontados no vosso site. Até que me lembrei da GNR. Do posto da GNR da minha área de residência responderam-me que não podiam ajudar, que desconheciam quem o poderia fazer.
 

Que revolta! Que indignação! Sei muito bem que a finalidade da GNR não é cuidar de animais abandonados, contudo é uma entidade que presta serviço à comunidade e, como tal, não deve deixar sem resposta a quem a ela se dirige em busca de auxílio. Não terá sido a 1ª vez que um cidadão terá pedido orientação em situação idêntica e não será decerto a última.
 

Considerando que a maioria dos canis e abrigos de animais estão fechados no período nocturno, que fazer quando deparámos com animais abandonados e feridos? É que não podemos acolher todos os animais e é tremendo virar costas a um animal em sofrimento. É desumano.

 

 


publicado por animaisferidos às 09:14
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Sensibilizaçao

. É uma história muito desa...

. Como agir com feridas

. Animais Feridos

.arquivos

. Outubro 2009

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds